27º em São Paulo
Aprendizado da Fala

Aprendizado da Fala

O primeiro “papai” ou “mamãe” a gente nunca esquece. Aos poucos, o bebê vai começar a usar palavras para descrever o que gosta, sente, ouve, vê e quer, pois eles percebem que esse “código” é utilizado pelos adultos para se comunicar. A fala está ligada, diretamente, à audição do bebê. Sons e palavras, pronunciadas, ajudam o bebê a formar o repertório que logo se tornará a combinação para as primeiras palavras.

Segundo a Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, o surgimento das palavras será notado entre 12 e 18 meses de vida da criança e, até os 24 meses, o pequeno deve atingir mais ou menos, um vocabulário de 500 a 1000 palavras. Neste período, geralmente, nota-se a chamada “explosão do vocabulário”, ou seja, uma rápida evolução no aprendizado de novas palavras que pode duplicar ou triplicar em poucos meses.

Apesar da ansiedade e expectativa de toda família pelo primeiro “papai” ou “mamãe”, o bebê tende a falar palavras fáceis de pronunciar e que são importantes na sua rotina. Segundo o Conselho Federal de Fonoaudiologia:

“De 1 a 3 meses: comunica-se com o meio basicamente através de variações na entonação do choro e sons emitidos. Chora, emite alguns sons e dá gargalhadas. Sorri quando alguém fala;

De 4 a 6 meses: grita, emite alguns sons como se conversasse e imita a sua voz. Presta atenção quando alguém está falando e vocaliza;

De 7 a 11 meses: Emite alguns sons. Repete palavras simples. Bate palmas, aponta o que quer e dá “tchau;

A partir dos 12 meses: Fala as primeiras palavras e imita as ações de outras pessoas. Aumenta a interação verbal através de balbucio e palavras simples. Identifica o próprio nome quando a chama. Entende ordens simples como “dar tchau”, mandar beijos e bater palmas.”

É muito importante que os pais e cuidadores estimulem o pequeno a falar nos momentos de diversão através de brinquedos e também no dia a dia, cantando músicas, contando histórias ou falando a primeira parte da palavra para que a criança complete, exemplo: ma – ça, ou ainda questionando à respeito de suas escolhas: você deseja maça ou banana? Evite atender a criança quando ela apenas aponta o objeto de desejo e não fala.

Aos dois anos de idade, espera-se que a fala esteja mais desenvolvida e que a criança tenha vocabulário suficiente para começar a montar frases, mesmo que cometa alguns erros na emissão de sons, trocando letras, omitindo palavras, etc. Aproximadamente aos quatro anos, espera-se que o pequeno construa as frases sem cometer muitos erros.

Diversas situações podem estar ligadas ao desenvolvimento inapropriado da linguagem e da fala, desde o frênulo da língua (quando ocorre uma limitação da elevação da ponta da língua) podendo dificultar a amamentação, até condições sociais, emocionais, cognitivas, síndromes e deficiências como auditiva e visual. Nestes casos, a família pode contar com a ajuda do Fonoaudiólogo para uma avaliação precisa e cuidados corretos, quanto mais cedo diagnosticados e tratados menos prejuízo trarão ao convívio familiar, social e vida adulta.

 

 

Com informações de:

Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia https://www.sbfa.org.br/portal2017/themes/2017/faqs/faq_linguagem.pdf

Conselho Federal de Fonoaudiologia

http://www.fonoaudiologia.org.br/cffa/wp-content/uploads/2013/07/desenvolvimento-CFFa.pdf

 

Veja mais:

Voltar
Carregando...