27º em São Paulo
O Papel de animais de estimação no desenvolvimento infantil

O Papel de animais de estimação no desenvolvimento infantil

Tem coisa mais fofa do que animais de estimação e crianças juntos?  Cães e gatos podem fazer muito bem à saúde dos bebês e crianças, os membros de quatro patas da família estimulam a afetividade, ajudam no desenvolvimento motor, comunicação interpessoal e expressão, além de contribuir para que a criança construa laços afetivos de amizades com mais facilidade.

 

Bebês e animais

Animais de estimação e bebê podem conviver, sim, em harmonia.  Basta que os pais preparem a casa para a chegada do pequeno e acostume o animal aos poucos com a mudança de rotina, simulando sons de choro de neném, além de permitir que os animais cheirem as roupinhas e utensílios do bebê para que se sintam familiarizados com o novo membro.

 

Senso de responsabilidade

As crianças podem receber tarefas simples para auxiliarem os pais nos cuidados com as mascotes. Passeio, troca de água, escovar e acompanhar no Petshop, brincar e respeitar os limites que os adultos impõem contribuem para que a criança desenvolva autonomia e senso de responsabilidade.

 

Desenvolvimento motor

As brincadeiras com os animais de estimação estimulam naturalmente a realização de atividades como: exercícios aeróbicos, equilíbrio, coordenação motora, resistência, flexibilidade e força, que acontecem naturalmente durante os passeios ao ar livre, jogos e natação. Tudo isso, além de reduzir o estresse da rotina diária e proporcionando integração da família que se comunica e interage com o animal.

 

Progresso relacional

Animais de estimação são perfeitos para ensinar seu filho a se relacionar com outras pessoas. Os sentimentos de companheirismo, solidariedade e generosidade também são desenvolvidos através das interações no dia-a-dia. Além disso, essa relação irá permitir uma compreensão maior do que é o respeito quando a criança entender que o animal possui suas próprias vontades, como a hora de brincar, de comer e de dormir.

 

Saúde

Crianças que convivem com animais de estimação tendem a desenvolver menos sensibilidade alérgica das aquelas que não possuem contato.  Esta interação também está relacionada à outros tipos de tratamento para saúde como: terapias assistidas para pessoas com deficiências sensoriais, paralisias, distúrbios comportamentais entre outros.

 

A melhor raça

Pesquise antes de adotar ou adquirir um filhote. Sabendo que cães e gatos possuem raças com distintas personalidades, raças dóceis e brincalhonas são mais indicadas para acompanhar o ritmo dos pequenos.  Se for adotar pesquise e visite ONGs com antecedência, a família toda pode participar deste momento.

 

Cuidados gerais

É importante acompanhar religiosamente o calendário de vacinas do animal, separar objetos como roupinhas, coleiras, xampus, remédios e até os potes de ração se o seu bebê estiver aprendendo a engatinhar para evitar acidentes. A família pode optar também por adestrar o animal para facilitar a comunicação dos comandos e agilizar o dia a dia da família.

Até os 4 anos de idade a criança não compreende ao certo as regras de convívio com o animalzinho, portanto é importante manter o monitoramento constante da criança com o animal por mais dócil que ele seja. À medida que for crescendo e adquirindo independência poderá passar mais tempo sozinho com seu amiguinho de 4 patas.

Veja mais:

Voltar
Carregando...